Território dos cursos
1° Ano
2° Ano
    3° Ano
    4° Ano
    1° Semestre
    2° Semestre
    3° Semestre

    Postagens de Português

    Quinta-feira, 09 de novembro de 2017

    EXPRESSIONISMO

    O expressionismo na literatura

    O movimento é marcado por subjetividade do escritor, análise minuciosa do subconsciente dos personagens e metáforas exageradas ou grotescas. Em geral, a linguagem é direta, com frases curtas. O estilo é abstrato, simbólico e associativo.

     

    História e características

     

    Seu marco ocorreu na Alemanha, onde atingiu vários pintores num momento em que o país atravessava um período de guerra. As obras de arte expressionistas mostram o estado psicológico e as denúncias sociais de uma sociedade que se considerava doente e na carência de um mundo melhor. Pode-se dizer que o Expressionismo foi mais que uma forma de expressão, ele foi uma atitude em prol dos valores humanos num momento em que politicamente isto era o que menos interessava.

     

    O principal precursor deste movimento foi o pintor holandês Vincent Van Gogh, que, com seu estilo único, já manifestava, através de sua arte, os primeiros sinais do expressionismo. Ele serviu como fonte de inspiração para os pintores: Érico Heckel, Francisco Marc, Paulo Klee, George Grosz, Max Beckmann, etc. Há ainda muitos outros pintores, entre eles, Pablo Picasso, que também foram influenciados por esta manifestação artística. Outro importante pintor expressionista foi o norueguês Edvard Munch, autor da conhecida obra O Grito.

     

    Expressionismo no Brasil

     

    Em nosso país o movimento também foi importante. Podemos destacar, nas artes plásticas, os artistas expressionistas mais importantes: Candido Portinari, que retratou em suas telas a migração do povo nordestino para as grandes cidades e a vida dos agricultores, operários e desfavorecidos.

     

    LITERATURA Principais Autores


    - Kurt Hilher


    - Georg Büchner


    - Frank Wedekind


    - August Strindberg


    - Franz Werfel


    - Georg Trakl

     

    Quinta-feira, 19 de outubro de 2017

    Regência do Verbo Chamar

    Regência do verbo chamar

    A regência do verbo chamar é mais complexa do que se pensa, não havendo também unanimidade entre todos os gramáticos. O verbo chamar apresenta uma pluralidade de significados, podendo atuar como verbo transitivo direto, transitivo indireto, transitivo direto e indireto, intransitivo e pronominal
    Chamar como verbo transitivo direto

    O verbo chamar é transitivo direto, estabelecendo regência sem a presença de uma preposição, com o sentido de pedir que alguém ou algo venha, bem como de convocar, pedindo a presença.

    Chamar a mãe;
    Chamar você;
    Chamar o namorado;
    Chamar a polícia;
    Chamar o médico;
    Chamar o elevador;
    Chamar um táxi;
    Chamar um Uber;
    Chamar a atenção;
    Chamar o nome;
    ...

    Chamar como verbo transitivo direto e indireto

    O verbo chamar é transitivo direto e indireto, estabelecendo regência sem preposição com um objeto direto e com preposição com um objeto indireto. São possíveis diversas construções corretas com o verbo chamar, com diversas preposições.

    Regência com a preposição de, com o sentido de apelidar, tachar ou denominar.

    Chamar de burro;
    Chamar de feio;
    Chamar de chato;
    Chamar de analfabeto;
    ...

    Com esse sentido, há ainda quatro possíveis construções, uma vez que é possível a utilização de um objeto indireto, de um objeto direto, de um objeto direto preposicionado e ainda de um predicativo do objeto, preposicionado ou não.

    Bianca chamou o amigo feio.
    Bianca chamou o amigo de feio.
    Bianca chamou ao amigo feio.
    Bianca chamou ao amigo de feio.
    Bianca chamou-o feio.
    Bianca chamou-o de feio.
    Bianca chamou-lhe feio.
    Bianca chamou-lhe de feio.

    Regência com a preposição para, com o sentido de convidar para algum lugar ou para algum cargo.

    Chamar o amigo para a festa;
    Chamar os filhos para casa;
    Chamar o funcionário para um cargo de direção.

    Regência com as preposições a e para, com o sentido de assumir uma responsabilidade:

    Chamar a si as responsabilidades;
    Chamar para si todas as obrigações.

    Regência com a preposição a, com o sentido de incitar alguém a alguma coisa:

    Chamar o pai à razão;
    Chamar o avô à lucidez;
    Chamar o diretor à responsabilidade;
    ...

    Chamar como verbo transitivo indireto

    O verbo chamar pode ser também transitivo indireto, estabelecendo regência com a preposição por quando apresenta o sentido de pedir ajuda ou proteção.

    Chamar por Deus;
    Chamar por mim;
    Chamar pela mãe;
    ...

    Pode ser também regido pela preposição por com o sentido de solicitar a presença de alguém. Nesse caso, a preposição por atua como uma preposição de realce, podendo ser retirada.

    Chamar por você;
    Chamar pelo namorado;
    Chamar pela avó;
    ...

    Chamar como verbo pronominal

    O verbo chamar é pronominal, sendo conjugado com um pronome oblíquo átono (me, te, se, nos, vos, se), quando indica o ato de ter como nome ou apelido.

    Eu chamo-me Flávia.
    Ela se chama Renata.
    Ele não se chama Paulo.